Os primeiros passos para quem vem estudar no Canadá

Postei este texto no perfil @vivendoemhamiltonblog do Instagram, e como a receptividade dele foi grande, quis deixar ele registrado aqui também.

Como sei que nessa época do ano tem muita gente chegando, não só em Hamilton, mas no Canadá com um todo, para iniciar os estudos por aqui, achei interessante postar uma lista de coisas que precisam ser feitas durante os primeiros dias da sua chegada. SIM, é bem comum se preparar por anos e depois que chegar aqui “ter um branco” e não saber nem por onde começar. Caso eu esqueça de algum item, fiquem a vontade para adicionar nos comentários, beleza? ⠀

• Study/Work Permit: assim que passar pela imigração, logo na chegada ao Canadá, você receberá os seus (e do cônjuge) permits. Não saia do aeroporto sem esses documentos.

• No primeiro dia útil desde a sua chegada, vá ao College fazer um check in e dizer que você já está por aqui. Se precisar fazer alguma prova de inglês, eles já agendarão na hora. Se ainda não selecionou seu timetable, eles de darão o acesso para você fazer isso. Aproveite para perguntar sobre a inclusão do cônjuge no Health Insurance do college.

• SIN: uma das primeiras coisas é tirar o seu Social Insurance Number. Procure pelo escritório mais próximo, confira a lista de documentos e horário de atendimento e vá fazê-lo. Você precisará deste documento para dar os próximos passos. Algumas pessoas já conseguem fazer o SIN no próprio aeroporto na chegada. Informe-se sobre essa possibilidade também.

• Conta no Banco: escolha um banco que te ofereça vantagens e que tenha um bom número de ATMs pela cidade. Existem boas opções de conta para estudantes ou new residents.

• Celular: você precisará de um número daqui para que seu futuro landlord te ligue para dizer que você foi aprovado para o apartamento/casa, então já feche o seu plano de celular assim que chegar.

• Aluguel: comece a busca por casa/apartamento. Saia na rua nas regiões que você pretende morar e entre em todos os imóveis que te agradarem. Ande muito. Veja o máximo possível de opções. Faça perguntas, observe tudo. Chore, pois o apartamento que você gostou é muito mais caro do que você pode pagar. Chore mais um pouco ao descobrir que só tem unidades disponíveis para 1 de Outubro e seu AirBnB só vai até o final de Agosto. Continue procurando. Se realmente tiver que ficar para Outubro, comece a pensar na extensão da sua moradia provisória. Isso é importante! Não deixe para a última hora.

• Preencher um application para o apartamento: uma vez que você escolhe seu apartamento, deverá preencher o application e levar sua documentação para aprovação. Alguns landlords pedirão para você já dar os cheques de primeiro e último aluguel. No dia que ele te ligar avisando que seu application foi aprovado, seu coração quase sairá pela boca. Prepare-se! Se a resposta for negativa, o coração sairá pela boca também, mas neste caso será de frustração. Não se deixe abater, continue a busca!

• Assim que você for aprovado, o próximo passo será comprar móveis/utensílios: Essa é a fase do processo em que o bolso começa a doer. O dinheiro vai saindo com uma rapidez que você nem imagina. É ok começar comprando somente os itens principais e depois ir comprando o restante. Sei que você quer postar no Instagram aquela casa perfeitamente devorada, mas você terá tempo de fazer isso no futuro, não precisa se desesperar agora.

• Se comprou os móveis na Ikea, agora a diversão será para montá-los. A cama e o sofá são as partes mais chatas, mas você ficará expert no assunto depois disso.

• A primeira comprar no supermercado também é divertida. Você provavelmente não terá carro, então é importante adquirir um daqueles carrinhos de mercado em que você coloca as compras e vem puxando ele. Super útil.

• TV e Internet: pesquise todas as companhias e veja aquela que te oferece os melhores preços/condições. Dê preferência a opções com internet ilimitada, pois você precisará muito dela para tudo.

• Uma vez que você já está instalado, com internet, com móveis e etc, será a hora de começar a procurar emprego. Prepara-se para a fazer dos NÃOS, ou mesmo das aplicações sem retorno. É um período frustrante. Você quer que as coisas aconteçam rápido e nem sempre este é o caso. Mande o máximo de curriculos possível. Se preciso, visite um deste centros de employment e peça a revisão do seu currículo e cover letter. Isso ajudará bastante no processo. ⠀

Nos primeiros dias no Canadá as suas emoções estão à flor da pele. Permita-se senti-las. É muito comum as pessoas planejarem muito antes de vir e depois que chegam aqui só chorarem. É normal, e passa.

Não se iluda com aquele perfil do Instagram favorito que chegou ontem e já visitou todos os lagos e pontos turísticos do Canadá. Não é a realidade de todos. Viva as coisas no SEU TEMPO. Você terá tempo de sobra para visitar tudo o que quiser/puder. Os primeiros dias são importantes para a sua adaptação, então resolva as coisas essenciais primeiro, mas sim, tire intervalos para descansar, dar uma volta, conhecer a cidade.

Welcome to Canada! Espero que você encontre aquilo o que veio buscar aqui. E se não for exatamente o que você procurava, aprenda a gostar das coisas novas que você encontrou. #TamoJunto ⠀

Anúncios

Acampando pela primeira vez

Desde que cheguei no Canadá, no final de 2014, ouço que os canadenses, em geral, adoram acampar, e sempre aproveitam os meses de verão para praticar essa atividade com as crianças. Há muito tempo eu já estava com vontade de fazer isso também, mas foi somente no verão de 2018, que fui passar um dia com uns amigos que estavam acampando, e isso despertou ainda mais a minha vontade de experimentar o acampamento pra valer.

Desde então, prometi que em 2019 eu acamparia, mesmo que ninguém mais estivesse interessado, eu iria sozinho mesmo. Não foi preciso. Esses mesmos amigos que me chamaram para passar o dia com eles no verão passado, esse ano me convidaram para r acampar e passar o feriado prolongado do Canada Day por lá. Topei na hora!!!

Neste post, quero contar um pouco sobre cada uma das etapas e preparação para o acampamento, pois caso vocês que estão visitando o Blog, se quiserem fazer o mesmo no futuro, já sabem por onde começar (principalmente se forem marinheiros de primeira viagem, como eu).

Reserva do Parque

A primeira coisa a fazer, uma vez que já decidiu a data em que pretende acampar, é fazer a reserva do parque e, consequentemente, do terreno em que ficará acampado. A forma mais simples de fazer a reserva é online, através do site do Ontario Parks, mas pode também ser feito por telefone. Neste momento é preciso já tomar algumas decisões: que tipo de acomodação você prefere, barracas, trailer ou cabines? Prefere com ou sem energia elétrica? Tem algum parque em mente, ou está disposto a aceitar qualquer um que esteja disponível?

Vale lembrar que se você pretende ir durante os finais de semana, principalmente com emenda de feriado, precisa fazer a reserva com muita antecedência. Meu amigo deixou reservado desde Março, para irmos no final de Junho. Quando ele entrou, já haviam poucas opções de terrenos disponíveis, portanto, vocês precisam ser rápidos. Caso tenham interesse em ir durante a semana, a procura é menor, portanto, é mais provável que consigam disponibilidade com mais facilidade.

Bom, meu amigo escolheu um parque que eles já tinham acampando no ano passado e gostado bastante, o MacGregor Provincial Park, que fica a mais ou menos 200km de Hamilton. Ele optou por um terreno com energia elétrica (graças a Deus!!!!) e as barracas foram a nossa forma de acomodação.

Preparativos

Uma vez que já tínhamos a data e também o parque, o próximo passo foi providenciar as coisas para o acampamento. Como meus amigos já acamparam bastante no verão passado, muitos dos acessórios para camping eles já tinham, então, dessa vez, não precisei me preocupar com eles: extensão para energia elétrica, lâmpadas para iluminar o terreno à noite, churrasqueira portátil, fogão elétrico, etc.

Mas eu ainda precisava providenciar uma barraca. Andei lendo pela internet que essas que divulgam que comportam até 6 pessoas, na verdade, conseguem comportar, confortavelmente, 4. Com isso em mente, achei uma barraca no Walmart, que era boa para até 8 pessoas. Sabia que era exagero comprar algo tão grande assim, mas, não conseguiríamos dormir apertados, e nem queríamos ficar sufocados dentro de uma barraca pequena. Comprei, e não me arrependi.

80136d0a-644f-4473-be84-c21d656a3b4f

Também precisava comprar duas lonas, uma para montar a barraca em cima, e evitar que ela ficasse encharcada, caso chovesse, ou o solo estivesse molhado, e uma para colocar em cima da barraca, também como proteção para a chuva. Vocês acham que eu sabia como amarrar a lona nas árvores para proteger a barraca? Nãoooo, mas meu amigo, muito mais experiente no assunto, me ajudou e deu tudo certo. Optamos, na verdade, por fazer uma proteção para uma das mesas de picnic que tinha no terreno, já que não havia mais previsão de chuva para aqueles dias.

Outra coisa que precisávamos, mas que eu já tinha comprado no verão passado, foi um cooler para levar as comidas e bebidas. Uma coisa a menos para me preocupar. Também já tínhamos aquelas cadeiras de acampamento, que pagamos baratinho no Walmart, e as levamos para tudo quanto é lado, sempre que tem algum evento na região.

6d361fa1-547c-4628-a482-fa272388adcf

As comidas

Nesse ponto somos exagerados mesmo. Meus amigos já tinham falado que não precisávamos levar muitas coisas, afinal eles também estavam levando, mas não consigo. Compramos linguiça, frango, carne de porco, milho, pães, ovos, café solúvel, snacks, e claro, uma picanha para fazermos um belo churrasco. Comprei a picanha no Duarte´s, o mesmo lugar aqui em Hamilton onde já mencionei que dá para comprar ingredientes para fazer uma feijoada. Clique aqui para saber mais informações.

Meus amigos também levaram costela, frango e linguiças, portanto, tínhamos comida suficiente para ficar mais uns 2 ou 3 dias, se quiséssemos ficar mais por lá. Exagerados, como já disse!

img_1049

Atividades no parque

O parque possui muitas atrações, entre elas, trilhas (que nós gostamos demais), aluguel de bicicletas, playground para as crianças, e claro, um lago azul, daqueles que mesmo gelado, deixa a gente com vontade entrar na água. Fizemos um pouco de cada uma dessas coisas, exceto, o aluguel de bicicletas. Como levamos cachorro (lembram da Alice?), eu não tinha aquelas cestas de bicicleta para levá-la, então optamos por caminhar. A coitadinha nunca andou tanto na vida dela.

Comprei também um desses botes infláveis, pois desde o ano passado eu já estava com vontade de entrar na água com algo do tipo. O meu comporta um adulto e uma criança, então aproveitei para levar o filho dos meus amigos para se aventurar comigo nas águas geladas do Lake Huron. Foi bom demais!!!

54425c87-6477-4f7c-a7c7-2cf7c2018b5d

A hora de dormir

Como meus amigos do trabalho disseram que eu estava trapaceando quando disse que ficaria em um terreno com energia elétrica, resolvi fazer a coisa um pouco mais rústica, e optei por dormir apenas com o saco de dormir, sem qualquer tipo de colchão. Sabe de nada, inocente!!! Prefiram um colchão inflável, caso vocês tenham interesse em acampar. Nem precisa ser nada muito requintado não, pode ser aqueles mais simples mesmo. Dormir no chão duro, não é uma tarefa fácil. Além disso, quando estiver montando a barraca, veja se tem algum desnível no solo e evitem essa área, pois isso facilitará na hora de posicionar as “camas”, e, acreditem, faz a maior diferença na hora de dormir (ou não).

Contato com a natureza

Essa foi a parte que mais gostei do passeio. Já tinham me falado para levar bastante repelente de mosquitos, portanto, já cheguei lá preparado. Felizmente, no final de semana em que estivemos lá, até que não tinham muitos mosquitos não, mas quando fui nadar e voltei sem reaplicar o repelente, eles fizeram a festa nas minhas pernas. Muito juvenil, eh!!!

Mas fora isso, o lugar é incrível, e pudemos ver várias coisas bonitas durante a nossa passagem por lá. Vou postar algumas fotos que foram tiradas pela @lininha_fr, pois elas ficaram demais.

Banheiros/Chuveiros

Como no verão passado já tinha ido passar um dia em um dos parques da província de Ontario, já sabia, mais ou menos, como eram as dependências do parque, portanto, já tinha gostado de saber como eram os banheiros e espaços para banho. O banheiro, obviamente, não te dá a mesma privacidade que você teria na sua casa, mas para um final de semana, 3 dias, ele está bom demais. Os chuveiros, por outro lado, são bem privativos, quentes, com um bom fluxo d’água. Muito bons!!!

Animais Silvestres

5ade8e5e-0008-44d2-9de1-ecd1b369ac83Logo na primeira noite, quando fui ao banheiro, já vi um cartaz informando que em Junho de 2019, um urso preto tinha sido visto naquele parque. O cartaz era mais informativo, explicando para não deixarmos comida exposta no terreno durante a noite, para evitarmos visitas desnecessárias. Também, foi uma forma de informar, caso alguém visse um urso, não deveria se aproximar dele, obviamente. Uma noite, no entanto, comecei a escutar uns barulhos e logo já imaginei que um (ou muitos) guaxinim estava mexendo na nossa lixeira. O safado encontrou um pote de margarina que tinha um pedaço de torta que havíamos jogado no lixo, e comeu tudo. Na manhã seguinte encontrei o lixo todo revirado, recolhi tudo e levei para uma área do camping própria para isso.

Impressões gerais sobre o camping

Depois de ter passado 3 noites lá, cheguei à conclusão que ainda quero mais. Gostei demais da experiência, portanto, essa foi somente a primeira de muitas vezes que farei isso. Preciso providenciar as coisas que ainda não tenho, sendo que as mais urgentes são o cabo de extensão de energia elétrica e o fogão elétrico. Sem esses dois itens, nada feito!

Se vocês que estão lendo este post, têm vontade de acampar, mas está faltando coragem, eu indico que vocês visitem um desses parques apenas para passar o dia e conhecer o local, e depois reservem para experimentar o acampamento. Não é uma atividade que agrada a todos, mas me diverti bastante, então espero que vocês também tenham a mesma experiência positiva que eu tive.

Um abraço a todos, e até a próxima!!!!

Estudar no Canadá: Diploma ou Certificate?

Há tempos planejo escrever um post sobre as diferenças entre fazer um College de 2 anos ou mais, ou apenas um curso de “pós graduação” com duração de 8 meses a 1 ano e meio. Como essa semana participarei de um evento no Instagram e o perfil do Blog Vivendo em Hamilton terá uma visibilidade maior, achei interessante registrar aqui, assim mais pessoas que estão em dúvida, terão a oportunidade de esclarecê-las.

Não sou especialista em imigração ou intercâmbios, mas já vivi aqui no Canadá tempo suficiente para observar as diferenças e emitir a minha opinião a respeito de ambos.

Quem me acompanha aqui há mais tempo sabe que fiz um college de 2 anos, o chamado Diploma. Este é equivalente àqueles cursos de 2 anos no Brasil. Quem concluiu o ensino médio já pode ingressar em um Diploma Program e ele já vale como um curso de ensino superior. Geralmente esses cursos são procurados por pessoas que pretendem ingressar na área de trabalho o mais rápido possível, ou que irão para a Universidade, mas ainda estão com dúvidas de qual curso escolher. Ele funciona como uma “ponte” para a Universidade.

Os cursos Certificate, por outro lado, são destinados às pessoas que já tem uma formação superior, seja de college ou universidade, e, geralmente, tem uma duração menor que o Diploma.

No meu trabalho, eu, geralmente, participo do processo seletivo quando estamos contratando novas pessoas para a equipe. Já vi, inúmeras vezes, currículos de pessoas que concluíram uma Universidade ou College e resolveram fazer um desses cursos de especialização com duração inferior. Já ouvi de várias pessoas, inclusive, que eles foram uma perda de tempo e/ou dinheiro. Estas pessoas ingressaram no programa com a expectativa de realmente tornarem-se especialistas em alguma área, mas saíram de lá frustradas, dizendo que apenas revisaram conceitos que já haviam aprendido anteriormente, ou ainda, apenas ouviram experiências de outros profissionais da área, sem muitas oportunidades para “colocar a mão na massa” e aprender de verdade. Inclusive, durante o estágio não remunerado (field placement), algumas dessas pessoas não deram a sorte de trabalhar em um local que, de fato, aproveitaram o tempo delas para treiná-las para o mercado de trabalho. Frustração mais uma vez!

Vale dizer que sou um profissional da área de humanas, portanto, os cursos que estou me referindo, são voltados a área social, saúde mental, desenvolvimento, etc. Gostaria até de ouvir a opinião de outras pessoas que estudaram ou trabalham em outras áreas. De repente a experiência delas tenha sido diferente destas que citei por aqui.

Outra diferença que deve ser levada em consideração na hora da escolha, está diretamente relacionada à oportunidade de trabalhar no Canadá depois que o curso foi concluído. Quem escolhe um programa de 2 anos ou mais, por via de regra, tem maiores chances de ficar no Canadá com a permissão de trabalho do PGWP (Post Graduation Work Permit) por mais tempo do que quem escolhe um Certificate Program. Obviamente o investimento em um Diploma é muito maior do que os cursos de especialização, mas posso dizer, com toda certeza, que receber um visto de trabalho de 3 anos, me deu uma segurança maior depois que finalizei meus estudos. Foi um investimento árduo, mas que valeu a pena no final.

Para os estudantes internacionais que já pagam um valor significativo para estudar aqui no Canadá, sair do curso com a sensação de que não aprendeu nada de novo e ainda ter que correr para conseguir a pontuação para imigração em um curto intervalo de tempo, é estressante demais. Será que vale a pena? Seu domínio do idioma é suficiente para “turbinar” a sua pontuação e te deixar um pouco mais tranquilo? Tudo isso tem que ser pesado antes de você chegar aqui no Canadá. Os Colleges estão investindo bastante em propagandas para atrair estudantes internacionais, afinal, isso movimenta, e muito, a lucratividade destas faculdades, mas será que eles estão oferecendo cursos e oportunidades que realmente valem à pena?

Eu posso concluir que tive uma ótima experiência com o curso de escolhi, seja com a duração, com o aprendizado ou mesmo com as oportunidades de trabalho e duração da minha permanência no Canadá, portanto, se vocês me perguntarem se vale mais pena vir fazer um curso de 2 anos ou um de especialização, minha resposta será certeira. Para o meu caso, a melhor escolha foi fazer um Diploma. E para vocês, qual a sua opinião?

Deixem aqui o seu comentário para auxiliarmos aqueles que ainda não tomaram uma decisão.

Abraços e até a próxima!!!

Instagram: Vivendo em Hamilton – Blog

Se você que é leitor aqui do Blog e gosta de ver fotos e vídeos curtos sobre a cidade, sobre o meu dia-a-dia em Hamilton, te convido a seguir o perfil do Blog no Instagram.

Caso você esteja acessando diretamente do seu celular, o perfil é @vivendoemhamiltonblog. Basta clicar nele e você será direcionado para o Instagram.

Participem, comentem as fotos, mandem mensagens. Sintam-se à vontade para interagir comigo por lá!

Espero vocês!!!

Hamilton é uma cidade violenta/perigosa?

Há alguns dias, postei aqui no Blog um texto com a pergunta Hamilton é uma cidade feia? O post de hoje segue essa mesma linha de raciocínio, no entanto, diferentemente do post anterior em que usei minha opinião e visão de mundo, hoje usarei números divulgados por outras fontes para enriquecer o conteúdo.

Acho importante dizer que eu já planejava escrever sobre este assunto, e ele já seria, de fato, o meu próximo post, mas ontem de manhã fui surpreendido com a notícia de que tivemos o quarto homicídio de 2019, pouco mais de uma semana de espaço entre o assassinato anterior e este último. Isso acabou me motivando a realmente publicar o texto o quanto antes.

De acordo com o site oficial do Governo Canadense, o Statistics Canada, o número de homicídios na cidade de Hamilton nos últimos anos foram:

2013: 15

2014: 10

2015: 7

2016: 12

2017: 11

Embora 2018 não faça parte desta lista do Statistics Canada, uma reportagem do jornal The Hamilton Spectator do dia 28 de Dezembro de 2018 indica que o número final foi de 9 mortes. Se eu não me engano, houve uma décima logo depois que esta reportagem foi publicada, mas infelizmente não consegui encontrar uma confirmação online com nome da vítima e informações sobre o caso.

O site MacLeans.ca, no entanto, diz que o número final para 2018 é realmente de 10 assassinatos, confirmando, assim a minha suspeita. Ainda segundo o mesmo site, Hamilton fica na 111 posição em uma lista com 237 cidades mais violentas do Canadá, sendo que o índice geral de Hamilton caiu em 2,73 pontos comparados com os últimos 5 anos, melhorando a posição no ranking, o que é uma boa notícia.

Os dados revelados pelo site citado acima, não levam em consideração apenas o número de homicídios (por 100.000 habitantes), mas também outros tipos de crime, tais como, ataques violentos, violência sexual, ataques envolvendo arma de fogo, roubos, invasões de casas e crimes por fraude.

Uma coisa, no entanto, que merece ser destacada é que, em geral, a polícia divulga que a maioria dos crimes violentos, envolvendo arma de fogo e os homicídios propriamente ditos, são sempre relacionados à disputa de gangues, tráfico de drogas ou algo do gênero. É mais raro vermos notícias de crimes assim acontecendo de forma aleatória, ou vítimas de bala perdida, como estamos tão acostumados a ouvir nas nossas cidades natais.

O fato, porém, de já estarmos na quarta morte de 2019, sendo que as duas últimas foram por esfaqueamento, me faz pensar que o número final será bem próximo ao dos anos anteriores. Até aí, nada muito alarmante, mas saber que em pouco mais de 1 semana tivemos dois casos semelhantes, isso sim já me assusta um pouco mais.

Certamente ainda farei um novo post sobre isso, mas sei que o problema das drogas aqui no Canadá é algo que afeta, e muito, a questão da violência. Um artigo publicado pelo National Post revela que a Escócia é o país primeiro colocado no mundo em relação ao uso de cocaína, sendo seguida, com empate, pelo Brasil, Itália, Portugal, Inglaterra e também Canadá, todos em segundo lugar. O artigo ainda menciona que o preço da cocaína no Canadá é inferior ao de outros países, o que torna ainda mais difícil para os usuários abandonarem a droga.

Eu não sei qual a opinião dos demais moradores daqui de Hamilton, e portanto, peço para aqueles que já vivem aqui na cidade, que deixem seus comentários ao final deste post, mas eu não me sinto inseguro andando pela cidade. Já inclusive mencionei anteriormente que as vezes tenho que trabalhar durante a noite, ou fora do horário convencional, e, em com frequência, volto para casa tarde e caminho normalmente pela cidade, sem aquela sensação de que algo acontecerá comigo a qualquer momento.

Não tive com este post, a pretensão de alarmar ninguém com este assunto, até porque cada um pode pesquisar agora como estão os índices da sua cidade aí no Brasil. Não quero desencorajar ninguém de vir morar aqui em Hamilton, inclusive se vocês pesquisarem cidades de outras províncias, Hamilton ficou melhor classificada que Vancouver, Calgary, Winnipeg, Saskatoon, por exemplo. Podem vir sem medo nenhum.

Acho que por hoje é só. Espero que o post tenha sido esclarecedor. Um abraço a todos e uma ótima semana!

 

 

 

 

Dica de passeio: Stratford, Ontario

Sabe aqueles dias em que você acorda com vontade de fazer um passeio diferente, mas está sem ideias de onde ir? Se você for como eu, e gosta de conhecer cidades novas, explorar a redondeza, almoçar em um restaurante local, então aqui vai uma dica de passeio que pode te interessar.

A cidade de Stratford fica, aproximadamente, a 100 km daqui de Hamilton, portanto, é um destino ideal para aqueles passeios em que você vai e volta no mesmo dia. Anteriormente o local era conhecido como Stratford-upon-Avon, mesmo nome de uma cidade inglesa famosa por ser a terra natal de William Shakerspeare.

As ligações com o poeta e autor teatral não param por aí. Em homenagem a ele foi criado o Stratford Festival, anteriormente conhecido como Stratford Shakespeare Festival. No passado, o festival era dedicado a peças teatrais escritas, exclusivamente, por Shakespeare e, embora elas continuem sendo produzidas até hoje, existe uma lista de espetáculos atuais e diversos gêneros teatrais. Uma peça que, por exemplo, está em cartaz até Novembro de 2019 é o musical Billy Elliot, sucesso da Broadway, que também já esteve nos cinemas.

Uma vez estando na cidade, não deixe de visitar o jardim conhecido como Shakespearean Gardens. O parque possui mais de 60 espécies de plantas e flores, e é cenário de casamentos e sessões de fotos, justamente pela diversidade de cores e cuidado com a natureza.

Um passeio pelo Lago Victoria também pode ser divertido, principalmente nesta época do ano em que os gansos estão com filhotinhos e todo mundo fica admirando a desenvoltura (ou a falta dela) dos bebezinhos.

img_9982

Ainda no lago, os turistas aproveitam para alugar pedalinhos, canoas, caiaques, ou mesmo para comer um sanduíche ou tomar um sorvete de casquinha, que custou apenas $1.

Uma curiosidade da cidade de Stratford é que foi lá que nasceu o cantor Justin Bieber, fato que, na minha opinião, não é a coisa mais interessante da cidade. Aliás, em inglês eu diria, Justin Bieber?  I don´t care, que, curiosamente, é nome da nova música dele com o Ed Sheeran. Se ainda não viu o clipe, confira aqui.

No entanto, o museu Stratford Perth Museum está com uma amostra do Justin Bieber contando a história do astro, desde quando ele tocava e cantava em frente ao Avon Theatre, uma das principais casas de espetáculos da cidade. O ingresso para o museu, já com a entrada para a amostra do Bieber, sai por $8,32 já com todas as taxas.

Para saber mais sobre outros eventos que estão acontecendo na cidade, entre no site visitstratford.ca ou click aqui.

Para comer, como era domingo e feriado prolongado, achei que as opções de restaurantes locais abertos para o horário de almoço foram meio limitadas. Obviamente que existem inúmeras opções de redes de fast food, mas naquele dia, eu estava mais interessado em provar algo tradicional da região. Acabei optando por um restaurante italiano e não me arrependi. O nome do restaurante é Fellinis e, com certeza, valeu a visita.

Percebi que na cidade existem inúmeras opções de hotéis e pousadas (Bed and Breakfast). Imagino que deva ser gostoso se hospedar por lá, passar o dia na cidade e curtir um dos espetáculos do Festival durante a noite. Já incluí isso na minha lista de coisas que ainda quero fazer por aqui.

Mas e você, achou a cidadezinha uma ideia interessante? Já esteve por lá? Conte-me como foi a sua experiência aqui nos comentários.

Vou postar mais algumas fotos que a Aline (Instagram: @lininha_fr) tirou durante o passeio.

Um abraço a todos, e até a próxima!

img_9979img_9981img_9978

 

Hamilton é uma cidade feia?

Admito que esta é uma pergunta bem subjetiva e, se eu perguntasse isso para 10 pessoas diferentes, provavelmente receberia respostas variadas e acompanhadas da opinião e experiência pessoal de cada uma das pessoas envolvidas.

Pois bem, é exatamente baseado nisso que eu faço este post, com a minha visão de mundo e, minhas experiências desde que cheguei aqui no Canadá.

Já comentei anteriormente no Blog que escolhi a cidade de Hamilton, porque vim  para estudar no Mohawk College. Obviamente que a proximidade com a cidade de Toronto, e o custo de vida mais baixo, influenciaram a minha decisão, mas na época, não me baseei na beleza da cidade, até porque não tinha muito material sobre Hamilton em blogs ou videos na internet.

Mas agora, depois de 4 anos e meio vivendo aqui, será que eu me arrependo? Tenho a mesma visão da cidade que eu tive quando cheguei?

Eu particularmente nunca achei Hamilton feia ou velha, principalmente porque a cidade não pode ser julgada somente por sua área central. Nasci e fui criado no Estado de São Paulo, portanto, estou acostumado com centros de cidades mais antigos, muitas vezes menos cuidados, com uma população mais carente, e, em muitos casos, repleto de problemas sociais. Pois Hamilton não é diferente disso. A região central, definida em inglês como downtown core, preserva exatamente essas mesmas características.

Quem chega em Hamilton e se limita exclusivamente a essa região central, provavelmente sairá daqui com uma visão distorcida de que a cidade é feia. Igualmente, quem explora a cidade de canto a canto, principalmente a região da montanha, já possui elementos para criar uma opinião diferente. Mesmo quem está do lado sul do centro da cidade, na área que eu já indiquei no Blog para morar em Hamilton, vivencia uma experiência diferente de quem está no lado norte.

Vale lembrar que a cidade é repleta de parques, trilhas, cachoeiras, museus, galerias de artes, enfim, de opções para todos os gostos. Eu até pensei em postar fotos de diversas regiões da cidade, mas tive dificuldade em selecionar as imagens de forma que eu não fosse induzir os leitores do blog a acreditarem que isso é bonito ou feio, pois como já disse, tudo vai mesmo da experiência de cada um, e aquilo o que é bom para mim, pode não ser para o outro.

Dessa forma, eu tenho duas dicas para quem está chegando na cidade:

  1. Explore bastante. Se precisar, alugue um carro nos primeiros dias para rodar por todos os lados, e conhecer as diferentes regiões e bairros. Não fique preso a somente uma região e não se deixe levar pelas opiniões das outras pessoas. Você tem que se sentir confortável, afinal, uma vez que fechar um contrato de aluguel, terá que permanecer naquele lugar por, pelo menos, 1 ano.
  2. Fique atento com valores muito atraentes: O mercado imobiliário de Hamilton está muito aquecido e, por conta disso, elevou o valor dos aluguéis. Desta forma, quando estiver decidindo por um  local provisório (AirBnb, por exemplo) ou definitivo, desconfie de propostas com preços muito inferiores aos demais. Eu, como vocês, sei que o investimento para morar aqui no Canadá é muito alto, e qualquer economia é bem vinda, mas quando você escolhe as opções mais baratas, a chance de cair em locais não tão agradáveis, com uma população não tão amigável, é muito grande. Pesquise muito antes de decidir.

Se mesmo depois de esgotar as opções 1 e 2 você continuar achando a cidade feia e não se sentir confortável vivendo aqui, vá conhecer as cidades menores que fazem parte da Grande Hamilton, ou então, considere as cidades vizinhas como Burlington e Oakville, mas tenha em mente que seu orçamento deverá ser maior.

Espero que este post tenha ajudado na sua decisão. Fiquei curioso para saber a sua opinião sobre Hamilton. Você acha a cidade feia? Deixe o seu comentário e compartilhe conosco a sua experiência.

Um abraço a todos e até a próxima!!!